Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ventos do Brasil

Um desabafo, um suspiro da alma!

Ventos do Brasil

Um desabafo, um suspiro da alma!

A Criação

 

outonal.jpg

 

No início era a desordem:

transmitir, aprender, conhecer,

desbravar mundos distantes,

viajar além-mar, além tempo, além-sentimento...

Reinava o conflito, parecia um turbilhão!

O que havia de verdade,

o que era esse anseio instalado no coração?

Mas logo se fez a luz, simplicidade, encontro... Comunhão!

Ah, como tudo ficou brilhante, e claro, e alegre, e leve...

Os risos, o brilho no olhar, tudo tão soltinho como nuvens de algodão:

que doce aventura, que belo encontro, admiráveis sentimentos...

Verdadeiro clarão! Muitos se deram as mãos...

E saíram por aí tagarelando. E apreciando. E conhecendo-se. E partilhando...

Havia muita empolgação!

E tudo era tão lindo, tão bom!

Mas o melhor de tudo era o riso.

O riso barulhento, o riso em movimento, o riso ensinando a ser feliz.

Eram tão boas aquelas risadas sonoras, as tardes quentes...

Eram tão boas as conversas descontraídas, os encontros apressados ou o tempo com tempo...(Ivete Kuns Goulart) continua...

Dançar

DSC06290.JPG

Ah! Músicas, melodias...

Nas canções que se faz há guerra ou há paz.

Acordes alegres,caçadas e festas,

Podam-se as arestas,faz-se comunhão de noites e dias...

Na mente histórias que eu brado de cor.

Talvez na memória, meu marco maior,recanto de dor.

Quiçá, no meu peito quebrado,imperfeito e cansado,

Neste coração que bate apaixonado ainda repleto de amor,

Eu invente canções e nelas eu dance com asas nos pés! (04.08.2009)

Ele chegou!

Sabe aquele sonho que algumas de nós têm de ser mãe? Aquele sonho que vamos alimentando dentro de nós como uma probabilidade de “um dia” termos um bebe no colo e poder dizer que é nosso, e dar-lhe um nome, apresentar aos amigos, ver todo mundo dizendo que é lindo (ainda que não seja), enquanto dentro do peito cresce o orgulho e a alegria por aquela coisinha gerada por nós? Sei que muitas de vocês mulheres me entendem, mas sei também que muito homem, apesar de não carregar um filho no seu ventre, sonha-o junto com aquela que o fará pai. E por isto me compreenderá também. Nem sempre o filho vem no momento em que o planejamos. Algumas vezes, quando damos pela coisa, lá descobrimos que estamos grávidas (os). Pois é, comigo aconteceu de sonhar com filhos (as)... E eu os (as) gerei e pari. Depois o sonho continuou, para gerar outro tipo de filhos. E quando percebi, lá tinha eu gerado meu primeiro livro. Fiquei grávida dele por puro descuido, mas é claro que não poderia abortá-lo jamais. E dei-o à luz! Hoje ele está aqui comigo. É lindo! Eu estou inebriada de alegria. E logo, logo estarei marcando uma festa de apresentação, quando vou mostrá-lo aos amigos. Não tarda! Porque a minha ansiedade é imensa! (Ivete- 02.02.2015)